quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Aquele com a dúvida: "Eu estou errada ou o mundo está muito louco?"

*
Me lembro que desde muito nova, nunca fui muito competente no quesito "esconder os próprios sentimentos"... e desde quando dei meus primeiros passos para a minha "vida social extra família", isso não mudou... não sei se é o exemplo ideal nessa situação, mas foi o único que consegui encontrar para ilustrar:
Sabe o bebezinho? aquele recém nascido? Então... este quando vem ao mundo não está acostumado ainda com as sensações extra-uterinas... é tudo muito novo... tudo desconhecido... diante disso, se um recém-nascido tem cólicas, ele chora... se se sente incomodado por uma fralda suja, ele chora... se ele sente o aconchego familiar, ele dorme... se tem fome, ele suga... SIMPLES ASSIM...
O que eu penso, é que no que tange à sentimentos, eu sou e serei sempre um recém-nascido... porque quando dói lá dentrão do âmago do fundo do núcleo do centro do miolo do meu peito, não importa onde, quando e com quem eu esteja... eu choro... quando é engraçado, divertido, hilário, não importa onde, quando e com quem eu esteja... eu dou gargalhadas... quando eu levo um tropeção na filha da puta de uma pedra, estando calçada apenas de havaianas e dói a porra do dedão do pé, não importa onde, quando e com quem eu esteja... eu xingo e falo palavrão... aliás eu xingo muito, porque não sei o que aquela bisca daquela pedra filha de uma quenga estava fazendo bem na minha frente (sim, eu culpo a pedra sem o menor problema de ser considerada louca, afinal de contas, porra... eu tô com dor, caralho!!!!)... e assim sou eu nas minhas relações interpessoais... se eu amo, eu amo independente de o outro me amar ou não... e eu ajo com essa pessoa baseada no meu amor por ela e não no sentimento dela por mim... então se eu sentir uma vontade imensa de abraçar, eu simplesmente vou lá e abraço... se ela vai retribuir e abrir os braços pra mim, não importa... eu vou lá, abraço e pronto e eu só não abraçaria mais se ela me pedisse isso de forma clara, do contrário eu continuaria demonstrando meu afeto...
Mas por que diabos eu estou falando sobre isso?
Pois é... hoje o meu grau de abestamento, de pasmice, de "não credice", de embasbacamento (se não existem as palavras, inventei) e similares chegou ao seu cume! É sério... eu tô besta com a cena que eu "ouvi" (porque eu sou leal ao que eu sinto e nem conseguir olhar pra cara da pessoa que protagonizou a cena eu consegui, então eu só ouvi a coisa acontecer).
Pra que vocês compreendam melhor a coisa, vou voltar um cadinho o relógio... vamos dar uma passeada no mês de fevereiro deste ano de 2010, quando aconteceu isso, eu me senti assim, tive que passar por essa situação e no fim das contas, com a ajuda de um super amigo e de uma maravilhosa assistente social eu caí aqui...
Nas descrições das fotos linkadas, não há como compreender o que eu vivi... mas resumindo, foi assim: Em janeiro eu estava de férias, o coordenador da unidade onde eu trabalhava não me queria mais lá, porque eu, numa conversa informal, disse pra ele que não gosto da política de assistência e gostaria mesmo de trabalhar na saúde e além disso eu disse, não só nessa conversa informal, mas várias vezes e para várias pessoas, que as mundanças que estavam acontecendo no projeto me preocupavam, por que eu não concordava em dividir o mesmo espaço fechado, pequeno e sem segurança, que usuários com alto risco de periculosidade habitariam temporariamente e passariam todo o dia... até aí tudo bem... acontece que este tal coordenador não me disse que não me queria mais lá, ele simplesmente me ligou dizendo que a diretora tinha uma proposta pra mim e quando no dia 1º de fevereiro eu fui conversar com a tal diretora, descobri que na verdade ela não tinha uma proposta, tinha um comunicado e ela me comunicou que eu iria trabalhar num CRAS... o meu desespero naquele momento foi imenso e por dois motivos: 1) EU ODEIO CRAS... não concordo com bolsa família, abomino ações que tornem o usuário dependente do governo porque eu NÃO SOU MARXISTA e tenho nojo só de pensar que eu possa estar envolvida nesse processo de dependência; 2) com essa mudança eu perdi R$525,00 do meu ordenado, porque só no projeto onde eu estava se tem a oportunidade de fazer plantões e com isso aumentar a renda... então do nada, desavisada e de repente, eu não poderia contar mais com esse dinheiro ... se não bastasse isso já ter sido uma "puta falta de sacanagem", uma tremenda covardia da parte deste coordenador, ele ainda saiu falando para os meus colegas, que eu tinha pedido pra sair da ronda social, quando na verdade nós conversamos pra que ele me ajudasse a ser transferida pra política de saúde... ao invés disso ele melou tudo, porque contou pra secretária de desenvolvimento social sobre o fato de eu não achar seguro "me misturar" com pessoas que tem antecedentes criminas num ambiente fechado, pequeno e desprovido de segurança...
Em função disso eu fiquei com muita raiva dele, porque não o via só como meu coordenador, ele era uma pessoa por quem eu realmente tinha carinho, tinha afeto e eu continuaria tendo se isso nunca fosse recíproco, mas deixei de ter no momento em que percebi que além de covarde ele é um mentiroso...
Bem... reconstituída de forma muito breve a história (porque na época o meu sofrimento foi muito maior do que aparenta ter sido através desse relato)... vamos ao acontecimento de hoje que me bestificou...
A COHAGRA precisa de algumas informações que, por enquanto, só me estão disponíveis na secretaria de desenvolvimento social... Estava eu na porta desta, fumando meu cigarrinho aconchegada e aproveitando pra bater um papo com um colega de lá, quando vi a van da Ronda encostar e advinhem quem estava nela?... O próprio! Até aí tudo bem... fingi que não vi e continuei meu papo e meu cigarrinho... Eis que a pessoa atravessa a rua e puxa conversa com o colega com quem eu estava papeando... até aí, continua tudo bem, apesar de pra mim isso ser uma puta falta de educação, ainda era relevante... Até que a pessoa referida me solta em alto e muito bom som:
*
OI, RANNE!!!!
*
... :s ... :/ ... :[
*
Alguém por favor pára o mundo, porque eu preciso urgentemente descer???????????
*
Sério genz... a minha dor de barriga, fadiga, náusea, vontade de vomitar, embrulho no estômago, zunidos no ouvido e afins, foi tão imensamente incômoda, que na hora, e muito rápido como um flash cerebral, eu pensei e imaginei duzentas e oitenta e nove milhões, quinhentas e oito mil e duzentas e trinta e cinco respostas que com certeza caberiam naquele aparentemente simples "OI, RANNE!!!", mas a única coisa que o meu corpo todo abestado e estarrecido... quase em processo de decomposição interna... dormente como se eu tivesse recebido uma anestesia geral conseguiu fazer foi virar o rosto e não responder...
*
PAUSA... porque só de contar a história estou sentindo de novo aquela dor de barriga, fadiga, náusea, vontade de vomitar, embrulho no estômago, zunidos no ouvido e afins
*
"calma Ranne Maria... respira... acende um cigarro... conta 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10... dá uma boa tragada no cigarro... pensa nos passarinhos da branca de neve... come um chocolate... coça o nariz... solta um punzinho... retoma a respiração e..."
*
PLAY
*
Tipo... sou só eu, na face da terra, que não consigo ser política e cordial??? Sério gente... eu deveria ser política e cordial???? Porque assim... eu sou totalmente capaz de perdoar e desculpar a forma como ele agiu tão cruelmente comigo... o fato é... ele NUNCA me procurou pra pedir desculpas... ele agiu todo esse tempo como se eu fosse a louca da história e ele o desentendido... ele me fez passar por maluca para com os meus colegas da Ronda Social e hoje, exatamente oito meses e um dia após a puta facada que ele me deu nas costas ele simplesmente solta um "OI, RANNE"???
Eu tô doida?? Eu sou realmente maluca??? Na boa "pipous"... a mágoa que ficou é doída ainda... eu chego as vezes a desacreditar que ele teve a capacidade de fazer a coisa como ele fez... porque como eu disse não foi o fato de eu ser dispensável à ele que me magoou... juro! As pessoas são dispensáveis sempre, o tempo todo, a qualquer hora... isso é normal... o que me arrebentou pior do que mil oitocentas e noventa e sete facas me torcendo cada órgão vital do corpo foi a maneira como ele agiu... foi a covardia de não ser capaz de me procurar nas minhas férias e "bater uma real" comigo... entendem isso? e eu ainda lhe dei essa oportunidade porque no dia 1º de fevereiro de 2010, no período entre a manhã, quando falei com a tal diretora do setor pra onde eu iria, e à tarde, quando ela me daria uma resposta definitiva sobre o meu destino, eu liguei pra ele e lhe pedi uma conversa e ele não conversou comigo...
Juro que em qualquer momento da minha vida, pode ser hoje, amanhã ou daqui 20 anos... se ele bater a minha porta e quiser conversar a respeito, quiser admitir que agiu como um banana... um puta bundão, porque foi assim que ele agiu, eu vou abrir a porta da minha casa, vou perdoar e a mágoa automaticamente vai embora do meu coração porque é assim que eu sou... esse é o meu eu... eu me conheço e essa capacidade eu sei que tenho, mas, oi? Fingir que foi tudo normal, correto e ético??? Não né, meu! Bóra parar a palhaçada porque eu não sou nenhuma boneca inflável!
Quando contei a história pra marido ele falou... "É... no setor público as pessoas agem assim... são cordiais e políticas"...
Então eu venho aqui, publicamente admitir que apesar de ser uma pessoa "do setor público" eu não sou cordial e política... eu continuo sendo aquele recém-nascido que chora se sofreu dor, que xinga se tropeçou numa pedra, que dá gargalhadas se ouviu uma piada engraçada... EU SOU LEAL AOS MEUS SENTIMENTOS... E eu ainda não consigo tirar a minha razão nisso (e olha que não tenho dificuldade nenhuma em admitir minhas limitações, meus erros e afins)... E talvez eu esteja contanto isso pra além de compartilhar meu embasbacamento, pedir que vocês, leitores/as e amigos/as, por favor me clareiem a visão caso eu esteja realmente louca ao invés de o mundo estar... porque até agora não consigo achar que estou...
Então, porra!!!!... Eu estou errada ou o mundo está muito louco?

10 comentários:

  1. olha...complexo demais rsss
    Acho o maximo quando vc diz que se ele fosse conversar com vc, pedir desculpas, etc.....vc aceitaria numa boa e a magoa iria embora...com as facadas que vc narrou acima, nossa "amizade" nunca mais seria a mesma..eu adoraria ter esse dom que vc tem (pq considero isso um dom) de perdoar as pessoas assim mas nao consigo..quem sabe um dia..com a maturidade....
    Por outro lado..em algumas situações, nao de trabalho, mas de familia, eu tive sim que dar uma de "cordial e politica" por n motivos, inclusive passando por cima dos meus sentimentos de repulsa (coisa q eu acho q nao deveria ter feito) mas digamos que por uma questao de "sobrevivencia" eu fiz...espero um dia, ser diferente e tao fiel a mim mesma como vc é...porque é assim que deve ser.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Ranne
    Me lembro de toda essa história que tu passaste e sei como ficaste p da vida...enfim amiga é muiiiito difícil mesmo ser cordial com álguem que nem se quer te procurou para pedir desculpas...eu teria a mesma reação que tu tiveste...o complicado é pq é no setor público ai tem aquela coisa de tratar todo mundo bem né???? Aquela coisa de não brigar com ninguém para não se prejudicar...essas coisas...como isso já conteceu contigo...ele não deve nenhuma consideração contigo então eu acho que tu não estas louca não :)
    Beijosssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Olha... eu já fui muito assim e ja me estrepei muito... as vezes a gente tem q pintar a cara de cordial e de politica para viver bem.
    Meu mantra para essas pessoas que fodem a gente é: o que é seu está guardado.
    Não julgo nem desejo mal, a hora dele vai chegar...
    entende?
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Então tá, peraí... eu sou como você, transparente e nem um pouco 'cordial e política'... tá, admito que algumas vezes já fui, mas por puro interesse também, como disse a Cintia, por questão de sobrevivência... não dá né? na real? não dá! Eu acho que teria feito igual... viraria a cara e não responderia, mas tipo... já chorando, porque realmente não dá! affff pá puta que te pariu...

    ResponderExcluir
  5. olha amora, me lembro de cada fase que vc passou, eu tmb sou assim como vc sei perdoar, mais ser cordial e politica na frente dos outros e passar por cima dos meus ideias, não dá, estou contigo e não abro mão, e odeio esse mundo hipócrita que estamos vivendo, esse faz de conta que pessoas criam, um dia magoam outro agem como se nada tivesse acontecido, do conta nao...

    #prontofalei rs

    ResponderExcluir
  6. Ranne. eu não sei ser politica, e me inojam certos comportamentos, e nõa consigo agir puxando o saco ou me fazendo de desentendida mesmo quando precisa então entendi bem o que vc sentiu!

    vc esta certa pq ao menos ele poderia conversar com vc explicar né é o minimo que esperamos de um gestor, ou melhor ele nem de gestor pode ser chamada pq não soube agir não foi etico foi um filho da P...

    mas miga vira a cara mesmo e segue seu coração não precisamos ser hipocritas e aguentar isso!

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Muito difícil mesmo... eu talvez tivesse respondido com um OI apenas e depois sairia do lugar ou encaria a pessoa pra ver se ela se tocava e saía... mas é tudo muito rápido e imprevisível. As nossas reações muitas vezes são retardadas e a gente só vem raciocinar melhor depois que acontece. Eu passei por uma situação tb constrangedora com uma pessoa que considerava amiga. E mesmo eu pedindo desculpas por todo mal entendido essa pessoa parece que se fez que desentendida e me passou uma idéia de que estava tudo bem...até o dia que nos encontramos cara a cara e aí eu senti na pele o desprezo. Um sentimento tão ruim que não sei como pude esconder as minhas lágrimas!! Foi aí que percebi que não podemos confiar nas pessoas, que nem todos são o que parecem ser ou tem capacidade de conversar sobre algum problema. Eu tb sou capaz de conversar, esclarecer e tentar ficar numa boa, mas nunca como antes! A amizade acabou.
    Então, Ranne, segue o mantra Lele e bola pra frente!
    Bjssss

    ResponderExcluir
  8. Olha Ranne, já fui mt assim tb, hj eu tento ser política mas sinceramente? Não é um exercício mt fácil qd estamos acostumadas a ser "recém nascido". E sou do tipo recém nascido emburrada, não consigo desculpar e esquecer logo... leva um tempo ainda... Ou seja? Vc tá no lucro hauhauahuahua
    Agora respondendo, o mundo tá louco e repleto de pessoas sem senso algum do que fazem cm o camarada que vc citou acima. Fuma teu cigarrinho e esquece... O prolemático e mentiroso é ele!
    Bjks

    ResponderExcluir
  9. Cara amiga RANNE Cássia...SAUDADES, já faz um tempo que acompanho seu blog em silêncio...sem postar nenhum comentário, aqui da pacata PATOS DE MINAS(o amiga ingrata essa sua né!) Mais hj ao me deparar com a estória do beicinho...quase morri de rir...
    E quanto o FDP do Coord. SEM COMENTÀRIOS, papo pra ser colocado em dia né...
    to com saudade, me passa seu fone e endereço qd for em URa que te ver ..bjks

    ResponderExcluir
  10. Amigaaaaaaaaaaaa...
    Q coisa dificil!
    Mais faça o que o seu coração mandar viu?
    MAAAAS EU ACHO QUE, você esta certa!

    Bj Grande,
    Mari Quadrelli.

    ResponderExcluir